Um novo movimento toma conta do mundo, essa tendência mudará totalmente as relações com as grandes indústrias, com o trabalho e com a vida de todos.

Seu nome “FAÇA VOCÊ MESMO”.

E o melhor: está em nossas mãos!

Pessoas e pequenas empresas se juntarão, unidos expertises, conhecimentos e habilidade para redesenhar produtos e serviços, de maneira que eles se tornem mais úteis, práticos, simples, sustentáveis e principalmente, em conformidade com as aspirações e desejos da sociedade atual.

Suas ferramentas serão as novas tecnologias (Internet das coisas, impressoras 3D, software abertos, entre outras inovações) e ações de impacto social (compartilhamento de informações, interatividade de produtos e alinhamento de ideias).

Essas pessoas, pequenas e médias empresas, poderão virar o jogo de poder dos grandes conglomerados, através da inovação e da criatividade.

Em Davos, na Suíça, no início de 2016, durante o Encontro Mundial de Países, esse assunto foi o tema predominante do encontro: A QUARTA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.

Para relembrar:

A primeira revolução foi no Séc. XVIII, com o vapor movimentando as máquinas.

Revolução Industrial

Revolução Industrial 1.0

A segunda através da energia elétrica.

Revolução Industrial

Revolução Industrial 2.0

A terceira veio com o surgimento da informática.

Revolução Industrial

Revolução Industrial 3.0

Todas capitaneadas pelo capital e de quem o possui.

Essa nova revolução industrial se baseia na informação de conteúdo e no compartilhamento de pensamentos.

A atual situação demonstra que os Consumidores superconectados serão a próxima geração de Produtores, criando formas alternativas de cadeias produtivas e obtendo um diferencial que vai gerar um novo valor agregado aos produtos.

Eles se intitulam os “Makers” ( Os Fazedores).

A tendência de inovação rápida e multilateral dessa nova abordagem forçará que grandes empresas e seus processos lentos e herméticos de criação, tenham que abrir seus processos internos e pedir a participação dos seus clientes nesses procedimentos, deixando-os mais transparentes e participativos, indo na direção dos desejos de seus consumidores e não dos seus próprios objetivos.

Revolução Industrial

Revolução Industrial 4.0

Pequenas empresas ou grupos de pessoas terão a oportunidade de desenvolver produtos mais baratos, simples, duráveis, inclusivos, compartilháveis, reutilizáveis e com mais tecnologias limpas.

Quem vai gerenciar essas mudanças?
Quem estará na frente dessa quarta revolução?

Algumas empresas já estão se mexendo nessa direção, criando fóruns, chats e canais de comunicação com seus consumidores para que eles comecem a interagir e gerar opinião positiva sobre essas atitudes.

Ledo engano!
Elas apenas alimentam um novo personagem nessa história.

Os “Thinkers” ( Os Pensadores).

Pessoas que estão antenadas nas tendências da sociedade e em suas rápidas mudanças, se antecipando e criando uma realidade na qual eles próprios interagem viralmente.

O encontro de Makers e Thinkers criará uma colisão entre ação e pensamento, gerando uma avalanche de novas ideias, utilizando as novas tecnologias, conhecimentos e compartilhamento de ações como mola propulsora.

Nem todo Maker tem característica de Thinker, como o contrário também é verdadeiro, mas essa união tem tudo para dar certo e já assusta os grandes conglomerados de empresas, que acenam com um cenário de desemprego em massa no futuro.

Toda mudança assusta e a única certeza é que tudo muda o tempo todo no mundo (como diria Lulu Santos) e aqueles que estiverem à frente desse processo e os que melhor se adaptarem, serão os vencedores.

MÃOS A OBRA!
O PODER está em SUAS MÃOS (MAKERS) e MENTES (THINKERS).