Mais uma perda …

Muitas vezes eu me pergunto, até quando? Até quando, jovens irão morrer por tentarem alcançar alucinadamente “um corpo perfeito”. Que “lavagem cerebral” seria essa, que promove nas pessoas atitudes tão perigosas?

Esta semana uma moça, fisiculturista, de 31 anos, teve duas paradas cardíacas e não resistiu. O pai da moça relata que ela não fazia uso de anabolizantes e não temos mesmo como afirmar, a não ser que se faça um exame toxicológico no corpo. Mas, a notícia trouxe mais uma vez o assunto para discussão. Infelizmente o número de pessoas que fazem uso de substâncias ilícitas e extremamente perigosas é enorme. Esse número cresce assustadoramente a cada ano.

Dizer, hoje em dia, que as pessoas não têm conhecimento, é tapar o sol com a peneira e permitir o agravamento da situação. Infelizmente a maior parte dos familiares que sofrem essa perda, por motivos justos até certo ponto, não revelam os verdadeiros motivos da morte de seus familiares. Isso dificulta a inibição do uso dessas substâncias anabólicas e tão perigosas.  O culto ao corpo está sendo propagado e cada vez mais os limites do que é aceito se alargam. Basta olharmos ao redor e contarmos quantas pessoas conhecemos que já fizeram algo como cirurgia estética, uso de remédios inibidores do apetite ou dietas malucas! Parece que no mundo não existe vida além da magreza e dos músculos definidos. Não importa nada mais, desde que a pessoa seja magra e definida ela TEM que ser feliz. Essa é a ideia daqueles que buscam a qualquer preço o “corpo perfeito”.

Já existem algumas enfermidades diagnosticadas em razão do exagero do culto ao corpo. Duas delas são mais conhecidas, a anorexia e a bulemia. A primeira ocorre uma diminuição muito perigosa da ingestão e alimentos levando a pessoa a emagrecer perigosamente e podendo causar o óbito,  se um tratamento não foi iniciado rapidamente. Na bulemia a pessoa fica em jejum por um longo período de tempo e depois come uma quantidade muito grande de alimentos. Depois de ingerir, inicialmente provoca o vômito, mas depois de um tempo algumas pessoas bulêmicas vomitam sem fazer o menor esforço. A bulimia promove a perda de eletrólitos que pode, em casos extremos, causar parada cardíaca.

Mas muitas pessoas não conhecem a vigorexia, que também é uma enfermidade de distúrbio alimentar e de percepção do corpo. Só que nesse caso a pessoa se vê fraca e sem músculos. Com isso, cada vez mais ela busca formas de aumentar a massa muscular, exagerando no volume e intensidade dos exercícios e ainda usando hormônios anabolizantes para promover uma hipertrofia muscular grande. Nesse ponto chegamos a atitudes de risco de morte. As pessoas próximas falam, ou não falam, o fato é que é permitido e aceito pela maioria das pessoas. Muitas vezes admirado, o que incentiva ainda mais as pessoas a fazerem uso de tais substâncias.

Tenho o hábito de repetir que exercício é remédio, mas como qualquer remédio, a diferença em relação ao veneno é a dose.


Quer saber mais sobre Saude e Bem Estar? Curta nossa página do Facebook.