Antes de iniciar este texto preciso deixar bem claro que em nenhum momento estou desprezando, minimizando ou desrespeitando essa enfermidade chamada depressão. A depressão é sim um estado muito grave, sério e precisa ser tratado com toda atenção e respeito que a pessoa merece.

A intenção deste texto é lançar um outro olhar para esse estado. Alguns cientistas e pesquisadores estão analisando essa enfermidade de uma outra maneira e ao meu ver, muito interessante. Os aspectos do comportamento humano podem ser muito variados e acreditem este aspecto que se tornou uma enfermidade é muito novo quando comparado ao tempo de existência da espécie humana. Por isso é normal que seja encarado de formas distintas até ser bem compreendido.

É de conhecimento da maioria das pessoas que logo no início, quando o número de casos de depressão começou a aumentar e vir à conhecimento público, que era classificada como “frescura” “coisa de quem não tem domínio da mente” etc. Depois e mais atualmente é vista como uma enfermidade séria e grave. E mais recentemente há uma vertente analisando a depressão como um fator evolutivo.

Para explicar melhor é necessário entender o que pode ser considerado evolução para a biologia. No caso é aquisição evolutiva eventuais modificações que possam auxiliar no estabelecimento da população e na sua reprodução e permanência. E estas adaptações não estão necessariamente relacionadas com conforto e felicidade.

Posto isso podemos entender que a depressão pode ser um fator evolutivo que está de alguma forma auxiliando a população humana a se estabelecer melhor neste planeta que está se modificando tão rapidamente. O que os pensadores e cientistas estão dizendo é que aqueles que passam por um período de depressão e atenção para este detalhe, aqueles que passam, saem com uma visão diferente de si, do mundo e seus valores mudam. Isso traz uma acomodação às novas situações e dá mais força e mais conhecimento de si, para novas tarefas e enfrentamentos que certamente virão.

Estes estudos ainda estão em estado embrionário e não muito claros, mas sem dúvida depois de um período de introspecção ocorre um maior conhecimento de si mesmo e de como nos comportamos diante dos problemas e das felicidades. Fica mais claro o que nos faz falta e o que temos vontade de buscar e de ter. Em resumo, depois desse período de depressão, podemos mais facilmente fazer um balanço de nós mesmos e seguir em busca daquilo que descobrimos ser importante. Até um novo período de mudanças, ou um novo período de depressão.  Isso é individual e intransferível.