Especiarias contra a Diabetes

Aug 3, 2023 | Saúde e Bem Estar

Quatro Mosqueteiras Contra a Diabetes

Neste terceiro post da minissérie a respeito de alimentos que ajudam a controlar – ou mesmo reverter, dependendo do caso – a diabetes, hoje é dia de falar em especiarias contra a diabetes. Claro que jicama e painço são fantásticos, mas você não vai consumi-los diariamente. Por outro lado, canela, cúrcuma, pimenta do reino e gengibre, você pode incorporá-los em seu cardápio diário.

A canela, por exemplo, possui a capacidade de aumentar a sensibilidade à insulina, tornando o processo de transporte da glucose que está no sangue para dentro das células mais eficiente. Um estudo no Brasil com 160 diabéticos comprovou a eficácia da canela em todos os parâmetros relativos ao controle de açúcar no sangue: a porcentagem de hemoglobina glicada (HbA1c), o nível de glucose em jejum, o nível de insulina e o HOMA- IR, um índice que indica o nível de resistência à insulina[i].

Sendo tão poderosa, a canela deve ser usada com cuidado. Ela pode interferir com remédios. No caso de diabetes, seu consumo regular juntamente com o medicamento pode reduzir o açúcar a níveis muito baixos. Por isso, é importante monitorar e, se necessário, ajustar o remédio com supervisão médica. Gestantes devem consumi-la com moderação, ocasionalmente, pois a canela pode provocar contrações uterinas.

No caso do gengibre, os resultados são ainda mais surpreendentes. Esta raiz de sabor marcante, popularmente usada na forma de chá para combater resfriados e indigestão, ajuda a reduzir não apenas o açúcar no sangue e a HbA1C, mas também tem efeitos positivos sobre alguns marcadores menos conhecidos, mas igualmente importantes, quando o assunto são as possíveis complicações da diabetes, especialmente as doenças cardiovasculares.  Um estudo revelou que o consumo regular de gengibre ajuda a reduzir a Apolipoproteína B e aumentar a Apolipoproteína A-1. Pois estas duas palavras que parecem tão complicadas nada mais são do que as proteínas que se ligam ao colesterol, LDL e HDL, respectivamente, transportando-o do fígado para o restante do corpo e retirando de circulação o que já foi usado para ser descartado. E falando em palavras complicadas, tem também o malonaldeído que quando elevado, indica estresse oxidativo – presente na diabetes. Pois o gengibre, graças a suas propriedades antioxidantes, ajuda a reduzir o malonaldeído. [ii]

A diabetes, assim como todas as doenças crônicas modernas, tem um problema de base que é a inflamação crônica. No caso da diabetes, a inflamação causa uma espécie de falha nas células beta do pâncreas que são as responsáveis pela fabricação de insulina. Portanto, um alimento ou nutriente que reduza a inflamação ajuda a corrigir a raiz do problema da fabricação de insulina e consequentemente, torna o controle de açúcar no sangue mais eficiente. É exatamente isso que a cúrcuma faz graças a sua poderosa ação anti-inflamatória e antioxidante.[iii]

O único problema com a cúrcuma é que ela é muito pouco absorvida pelo organismo. Mas nem tudo está perdido, pois a pimenta preta (do reino), quando consumida ao mesmo tempo, melhora a absorção da cúrcuma. [iv] Além de seu papel coadjuvante em relação à cúrcuma, a pimenta preta tem seu próprio mérito no controle da diabetes, uma vez que ela aumenta a captação de glucose.[v]


[i] Lira Neto, José Claudio Garcia, et al. “Efficacy of Cinnamon as an Adjuvant in Reducing the Glycemic Biomarkers of Type 2 Diabetes Mellitus: A Three-Month, Randomized, Triple-Blind, Placebo-Controlled Clinical Trial.” Journal of the American Nutrition Association vol. 41,3 (2022): 266-274. doi:10.1080/07315724.2021.1878967

[ii] Khandouzi, Nafiseh, et al. “The effects of ginger on fasting blood sugar, hemoglobin a1c, apolipoprotein B, apolipoprotein a-I and malondialdehyde in type 2 diabetic patients.” Iranian Journal of pharmaceutical research: IJPR vol. 14,1 (2015): 131-40.

[iii] Bozkurt, Osman, et al. “Effects of curcumin, a bioactive component of turmeric, on type 2 diabetes mellitus and its complications: an updated review.” Food & function vol. 13,23 11999-12010. 28 Nov. 2022, doi:10.1039/d2fo02625b

[iv] Heidari, Hajar, et al. “Curcumin-piperine co-supplementation and human health: A comprehensive review of preclinical and clinical studies.” Phytotherapy research: PTR vol. 37,4 (2023): 1462-1487. doi:10.1002/ptr.7737

[v] Maeda, Ayumi, et al. “Piperine Promotes Glucose Uptake through ROS-Dependent Activation of the CAMKK/AMPK Signaling Pathway in Skeletal Muscle.” Molecular nutrition & food research vol. 62,11 (2018): e1800086. doi:10.1002/mnfr.201800086

Fernanda Cano é Nutricionista Holística, Naturopata e criadora da Cycles of Life Nutrition Inc. No Canadá há 21 anos, ela trabalha com mulheres na área do equilíbrio hormonal, através de consultas individuais, oficinas ao vivo e online sobre fermentados, desintoxicação e gestão do stress e um programa online para mulheres na Perimenopausa e Menopausa – Conexão Hormonal. Seu interesse pela saúde da mulher vem dos anos de 1990, quando trabalhou como editora assistente na Revista Mãe e concluiu seu mestrado sobre a cobertura da saúde da mulher na imprensa feminina brasileira. Hoje ela publica artigos regularmente em sua página no Facebook, unindo o amor pela pesquisa e pela escrita com o desejo de transformar a qualidade de vida das mulheres desde a puberdade até a menopausa através da alimentação e de mudanças no modo de vida. Fernanda mora em Montreal com o marido, duas filhas adolescentes, dois gatos e uma cachorra. Siga a Fernanda no Facebook e no Instagram