A empatia é a capacidade para experimentar os estados emocionais dos outros e partilhá-lo.  Para isso é necessário que tenhamos uma interação social adaptativa que é um componente essencial na Inteligência Emocional.

A interação social tem 2 componentes:

– Cognitivo (Capacidade para compreender os processos mentais das outras pessoas)
– Emocional (Perceber o estado emocional de outra pessoa).

Porque é que os seres humanos se entendem entre si?

Hoje sabemos mais sobre essa questão. Em termos de funcionamento cerebral, o que nos permite saber o que fazem, pensam e sentem os demais, são os Neurônios Espelho.  Os Neurônios Espelho estão localizados no lobo frontal.   Estes neurônios são chamados de “Neurônios da Empatia”, porque estão implicados nas emoções dos outros.

Eles estão associados à “Teoria da Mente”; a capacidade que temos em averiguar o que os outros podem estar pensando, quais as intenções que têm. É uma faculdade que se adquire, e claro, essencial na sobrevivência e no bem-estar.

Compreendemos os estados mentais das outras pessoas simulando-os no nosso cérebro e podemos assim empatizar com quem se relaciona conosco.

Os neurônios espelho formam um componente essencial no desenvolvimento da capacidade humana de Comunicação, no processo de Liderança, através da influência de outras pessoas, na economia (efeito manada nas bolsas de valores) e nas vendas.

Uma área do cérebro facilita essa relação: o Córtex pré Frontal Médio é uma das áreas associadas ao processo de aceitação e à Empatia, seja em relação a produtos, ideias ou pessoas.

Quando percebemos qual o canal de comunicação principal das pessoas que nos rodeiam, temos um facilitador no processo de empatia, essa percepção pode ser treinada e potencializada.

Cada pessoa tem a sua forma de perceber as informações utilizando os sentidos, são as qualidades interiores que os indivíduos têm e que quando estimuladas facilitam o processo de comunicação.

Assim elas interiorizam (interpretam) e codificam as mensagens provindas do meio.

São 3 os canais de comunicação dos indivíduos:

– Visuais – Pessoas que reagem melhor a imagens, fotos e ícones.
– Auditivas – Que preferem estímulos sonoros.
– Cinestésicas – Ligadas ás emoções e aos sentimentos, precisam de estímulos emocionais

O cérebro está em constante interação com o meio através de estímulos que podem facilitar ou dificultar a comunicação entre cada um. Sempre procurando fazer conexões entre as memórias novas e as já existentes, trata-se de um sistema biológico aberto e flexível, que cresce e transforma a si próprio em resposta a desafios, mas que pode, por outro lado, encolher na falta de uso.

Sabemos que o cérebro possui uma plasticidade incrível, isto é, sofre alterações a todo o momento. Essas alterações se dão no momento em que o cérebro é estimulado, modificando a sua anatomia.

O cérebro possui bilhões de neurônios, e cada neurônio pode ter até 100 mil contatos, essa áreas de contato entre neurônios através de partículas de sódio, potássio, cálcio e cloreto é conhecida como área Sináptica onde ocorre a sinapse, isto é, local onde ocorrem ligações entre neurônios através de impulsos nervosos ou eletroquímicos chamados de potenciais de ação.

Esse é a nossa comunicação interna, que se da através de neurônios excitados por estímulos.

O cérebro armazena fatos separadamente, entre neurônios e a comunicação se dá quando associados através das sinapses. Essa associação ocorre quando novos estímulos provenientes do meio através dos sentidos, são propagados.

Quando estimulamos o canal de comunicação principal das pessoas que estão ao nosso redor, as chances de uma forma mais eficaz de contato, pelos Neurônios Espelho potencializam essa troca de informações e trazem resultados mais interessantes e alinhados aos nossos objetivos.

A Empatia pode ser desenvolvida pela melhor percepção e conhecimento dos canais de comunicação das pessoas e dessa forma um processo natural se dá potencializando resultados nos relacionamentos familiares, profissional e pessoal, ligado as vendas, ao marketing pessoal e as finanças.

Na nossa próxima conversa falaremos sobre o Neurocoaching, uma técnica que utiliza o coaching, A Neurociência, a Psicologia Positiva e equipamentos super modernos que monitoram o cérebro por imagens em tempo real e aumentam a performance das pessoas.

Aguarde.