Desafie a Endometriose Com Sabores Pouco Convencionais

Mar 15, 2023 | Saúde e Bem Estar

Depois de anos convivendo com debilitantes dores menstruais, você recebeu um diagnóstico – endometriose – mas não muito alívio, apenas analgésicos ou a pílula, que você recusou, pois planeja aumentar a família em breve. Se você se sente desencorajada com os resultados do tratamento convencional, que tal tentar uma abordagem diferente, atacando as causas da endometriose, não seus sintomas? E o que poderia ser melhor do que usar comida como remédio? Afinal, comemos todos os dias, várias vezes ao dia…. Agora você vai descobrir as quatro áreas que precisam ser equilibradas para reverter a endometriose e alimentos estratégicos, fáceis de encontrar, porém não convencionais, para ajudar nessa jornada. Animada? Então, é hora de arregaçar as mangas e colocar a mão na massa.

Você provavelmente já sabe que a endometriose tem a ver com muito estrogênio. Isso pode ser causado pela exposição a xenoestrogênios em cosméticos, plásticos, pesticidas em produtos convencionais e, claro, na pílula. Também pode ser porque o estrogênio produzido naturalmente pelo corpo não é descartado após o uso. Em ambos os cenários, há um fígado sobrecarregado que não é capaz de processar o excesso de estrogênio para ser eliminado. Portanto, se você tem endometriose, apoiar o fígado é o primeiro passo. E nada como um vegetal crucífero para fazer o trabalho. A família do brócoli e couve tem alguns membros menos populares com o mesmo perfil e benefícios. A couve-rábano, por exemplo, é uma fonte de glucosinolatos que ajudam o fígado a desintoxicar o excesso de estrogênio e são anti-inflamatórios. Também possui n-acetilcisteína, que pode controlar a proliferação celular no endométrio. A couve-rábano é bastante versátil e pode ser consumida crua, assada com azeite, alho e ervas ou refogada, gratinada, ou em sopas.

O segundo pilar do equilíbrio hormonal é um microbioma saudável e diversificado. O intestino descarta o que o fígado processou. Em uma flora intestinal pobre, algumas bactérias nocivas podem desconjugar o que foi preparado pelo fígado para ser descartado e devolver o estrogênio à circulação. Existe até um grupo de bactérias cuja função é regular os níveis de estrogênio – o estroboloma. Comer alimentos fermentados regularmente é uma forma de fazer a balança pender em favor das boas bactérias. O tempeh orgânico é uma adição maravilhosa para a endometriose porque é um alimento probiótico e um fitoestrogênio – um estrogênio fraco que força a saída dos mais fortes. Prepare em refogados, com cebola, alho e gengibre, ou assado.

O estresse está em toda parte e afeta tudo. Nossos hormônios não são exceção. Quando o estresse é prolongado e as supra-renais não conseguem produzir cortisol suficiente, parte da progesterona é convertida em cortisol, o que leva a uma quantidade insuficiente de progesterona para equilibrar o estrogênio. O excesso de cortisol também esgota a vitamina C, necessária para a produção de progesterona e para o bom funcionamento do fígado. Quer mais? O cortisol interfere na flora intestinal e aumenta o açúcar no sangue, preparando o terreno para a inflamação, presente na endometriose. Muito estressada? Coma goji. Além de ser um adaptogênico – um alimento que ajuda o corpo a se adaptar ao estresse, protegendo-o de seus efeitos nocivos – é rico em vitamina C. Goji é um alimento bom para o fígado e alimenta as boas bactérias no intestino. Não dá para pedir mais, não é?! Adicione-o em saladas, smoothies, granola, trail mix e muito mais.

A quarta área para trazer a proporção de estrogênio-progesterona de volta ao equilíbrio é a manutenção do açúcar no sangue estável. Além da estreita relação entre insulina e cortisol, altos níveis de insulina reduzem a quantidade de Globulina Ligadora de Hormônios Sexuais (SHBG), o que significa mais estrogênio livre. Uma das chaves para manter o açúcar no sangue estável é a fibra e, embora todos os carboidratos em sua forma integral, não refinada, contenham fibras, o destaque de hoje é um vegetal frequentemente deixado de lado – o quiabo. Sua viscosidade é a pectina, uma fibra solúvel que ajuda a retardar a absorção de açúcar no sistema digestivo, reduzindo a liberação de insulina. O quiabo também possui eugenol, um fitonutriente que ajuda a manter o açúcar no sangue estável O gumbo da Louisiana, uma mistura bem condimentada de quiabo, legumes e carne pode ser uma boa maneira de adicionar quiabo ao cardápio.

Para saber mais como usar os alimentos para combater a Endometriose, Fernanda criou um workshop especial sobre o tema:
https://www.eventbrite.ca/e/o-poder-dos-alimentos-contra-a-endometriose-tickets-578193962707
O Poder Dos Alimentos Contra A Endometriose Us Event

Fernanda Cano é Nutricionista Holística, Naturopata e criadora da Cycles of Life Nutrition Inc. No Canadá há 21 anos, ela trabalha com mulheres na área do equilíbrio hormonal, através de consultas individuais, oficinas ao vivo e online sobre fermentados, desintoxicação e gestão do stress e um programa online para mulheres na Perimenopausa e Menopausa – Conexão Hormonal. Seu interesse pela saúde da mulher vem dos anos de 1990, quando trabalhou como editora assistente na Revista Mãe e concluiu seu mestrado sobre a cobertura da saúde da mulher na imprensa feminina brasileira. Hoje ela publica artigos regularmente em sua página no Facebook, unindo o amor pela pesquisa e pela escrita com o desejo de transformar a qualidade de vida das mulheres desde a puberdade até a menopausa através da alimentação e de mudanças no modo de vida. Fernanda mora em Montreal com o marido, duas filhas adolescentes, dois gatos e uma cachorra. Siga a Fernanda no Facebook e no Instagram