Você já ouviu falar de efeito rebote? Acredito que sim, apenas significa uma resposta contrária ao estímulo, ou a falta desse estímulo. Nosso corpo vive e sobrevive usando o efeito rebote para manter o equilíbrio ou como se diz no mundo da fisiologia manter a homeostase.

Deixando o nome complicado de lado e explicando o que pode acontecer, vamos ao que interessa. Atualmente as enfermidades mentais têm diminuído a qualidade de vida de muitas pessoas no mundo todo. Claro que existem várias razões para isso, mas se podemos evitar ou mesmo diminuir a intensidade, acredito que valha a pena esta leitura.

As enfermidades mentais como depressão, ansiedade e síndrome do pânico não aparecem de um dia para outro. São enfermidades que vão aparecendo e muitas pessoas não conseguem perceber, ou têm vergonha de buscar ajuda em tempo. O resultado é a severidade a que as doenças podem chegar. Apesar de haver um componente hereditário o comportamento influencia muito e é nesse ponto que nós podemos nos ajudar.

Mas o que o efeito rebote tem a ver com tudo isso? Simples, quando você tem uma dessas enfermidades alguns neurotransmissores estão em desequilíbrio. A serotonina e a acetilcolina por exemplo podem estar em desequilíbrio. Porém, nosso corpo irá produzir segundo a necessidade que ele tem. Assim, se você não se expõe à necessidade de liberar serotonina o corpo entende que não há necessidade de produzir tanta serotonina e passa a produzir menos. Este é um efeito rebote. Junto com isso tudo pense: se você tem uma vida com rotina severa, sem tempo para nada que te agrade, trabalha todos os fins de semana, não tem motivos corriqueiros de alegria, você pode não estar produzindo uma boa quantidade de serotonina, pois você não se submete à necessidade. A forma de pensar, de ver o mundo, de se alegrar ou não com as pequenas coisas do dia a dia podem, com certeza, determinar o aparecimento ou a severidade das enfermidades citadas.

Por isso, não perca a oportunidade de sorrir, gargalhar, olhar uma criança na rua e ver a beleza que é ser criança. Não perca a oportunidade de usar seu efeito rebote, provoque a produção de mais serotonina. Se você buscar momentos bons irá provocar a produção de mais serotonina. Na nossa rotina, por mais dura que ela seja, sempre haverá motivos para liberar serotonina, ou seja, ser feliz. Mas, se ao ler este texto você está pensando que não tem motivos para ser feliz, mude. Mude agora mesmo. Mude sua rotina, seu caminho, suas tarefas, suas palavras, seus programas de TV. Mude antes que tenha que tomar remédios, com efeitos colaterais bem complicados e permanentes.