Não se preocupe, você nunca estará sozinho. Existem trilhões de bactérias juntinho de você.

Parece assustador, mas é a realidade. Existem trilhões de bactérias ao seu redor e nós temos 10 vezes mais bactérias, vivendo conosco que o número de células que constituem nosso corpo.

A primeira coisa a se pensar para não se assustar, é que é assim há muito tempo e estamos vivos. Posto isso podemos continuar. As bactérias foram as primeiras formas de vida neste planeta e estão por toda parte. No ar, na água, nos cabelos, na pele, na caneta, no computador, nos alimentos e claro dentro de nós também. Muitas bactérias são tão importantes que sem elas vamos morrer. Nós evoluímos juntamente com elas e trocamos favores. Damos casa e comida e elas em troca, nos fornecem algumas vitaminas, ajudam na digestão e melhoram o sistema imunológico. Mas, existem também algumas bactérias que não são boazinhas. Elas provocam doenças que podem ser muito graves ou não tão graves.

Para o combate a essas bactérias temos os antibióticos que tornaram o tratamento muito mais fácil …por enquanto. Acontece que algumas delas têm se tornado resistentes aos antibióticos mais comuns. Temos um problema. Isso acontece porque essas bactérias se reproduzem em uma velocidade muito grande e isso quer dizer que rapidamente podem gerar outras bactérias um pouco diferentes das originais. Esse fato é chamado de mutação. É como se uma das bactérias nascesse com a capacidade de resistir ao antibiótico que está sendo usado. E essa bactéria também vai se reproduzir muito rapidamente dando origem a milhões de outras que não vão morrer com o antibiótico. O resultado é que uma superbactéria surgiu e a pessoa precisa de outro antibiótico, agora mais forte, mais potente.

O problema é que uma mutação pode de novo acontecer com o novo antibiótico e assim por diante, nos colocando em uma situação bem delicada. Por isso que os médicos tomam muito cuidado ao prescrever antibióticos e recomendam muita atenção nos horários e número de dias que esses remédios devem ser ingeridos. O cuidado com os antibióticos é para garantir que todas as bactérias sejam mortas antes que uma possa sofrer mutação e se tornar resistente.

Além desses cuidados, podemos também ajudar a frear essas superbactérias. A higiene é fundamental. Lavar as mãos, tossir cobrindo a boca com o braço e se resguardar quando estiver doente, são algumas das medidas que irão, sem dúvida, ajudar muito. Essas medidas de higiene também devem ser adotadas nos hospitais e por pessoas que visitam os hospitais. Os cientistas estão sempre pesquisando para estar um passo à frente dessas bactérias, elaborando novas fórmulas de antibióticos. E mais uma coisa…não usar antibióticos para infecções que podem ser tratadas sem eles pode ajudar muito também.