Realmente o envelhecimento tomou outro rumo. Isso pode ser muito bom, ou não. Vou me explicar. O que vemos hoje, principalmente com relação  às mulheres é uma grande transformação. Tudo aconteceu muito rapidamente e por vários fatores. Com certeza a “revolução feminina” contribuiu muito para nova posição da mulher na sociedade, mas não podemos esquecer que as crises econômicas também empurraram as mulheres para o mercado de trabalho a fim de ajudar na renda familiar. O resultado é que hoje, as mulheres estão mais ativas no mercado de trabalho, na vida social e na vida biológica também.

Enquanto há 20 ou 30 anos as mulheres de 50 e 60 anos estavam sem atividade remunerada, sem empreender, sem vida pessoal apenas cuidando da casa e dos netos, hoje a coisa é bem diferente. Empreender depois dos 40 anos não é mais uma novidade e nem surpreende as pessoas. Ao contrário é motivo de elogios. Claro que o mesmo acontece com os homens, sem chamar tanta a atenção porque já era comum eles estarem nessas posições, porém entre eles também ocorre um envelhecimento mais tardio.

Quando falo que o envelhecimento está ocorrendo cada vez mais tarde, mas nem sempre da mesma forma, estou me referindo ao que comentei anteriormente e também a uma outra maneira de “não envelhecer”. Me refiro às práticas de antienvelhecimento para o corpo.

Existem pessoas que chegam ao ponto de fazer segredo da idade ou mentir sobre a idade, como se isso fosse de fato mudar alguma coisa. A aparência é a mesma com a pessoa dizendo ou não a idade. Mas, isso nem é tão complicado. Complicado mesmo são as inúmeras intervenções invasivas que as pessoas se submetem para parecerem jovens. E pior, não dá certo. Pelo menos é essa minha opinião. Como dizia minha mãe, as mãos não mentem! Rosto com plástica, Botox, preenchimento, aplicação, microagulhamento, fios de ouro, mas as mãos…revelando a idade. No mínimo esquisito.

Quando uma pessoa se mantem ativa mentalmente, trabalhando, criando participando da vida, a mente continua jovem e plena, independente das rugas que o rosto pode mostrar. Mas o contrário não será verdade necessariamente. Uma pessoa que cuida apenas da aparência estará envelhecendo mentalmente. Então temos a pergunta. O que vale mais, sermos capazes de buscar nossa felicidade por meio nas nossas atitudes, por meio do nosso trabalho ou buscarmos a felicidade apenas olhando no espelho esperando nunca ver as rugas marcando nosso rosto? É verdade que podemos cuidar das duas partes, da aparência e da mente. Isso sim será sempre o ideal. Mas, infelizmente não é o que eu vejo no meu trabalho. Estamos sendo levados à achar feio ser velho, feio e depreciativo. Isso não pode estar certo.